Navegação
  .: Página Inicial
  .: Tecido Epitelial
  .: Tecido Conjuntivo
  .: Tecido Ósseo
  .: Tecido Cartilaginoso
  .: Tecido Muscular
  .: Tecido Nervoso
  .: Sangue
  .: Pele
  .: Órgãos Linfóides
  .: Sist. Cardiovascular
  .: Sist. Respiratório
  .: Sist. Digestório
  .: Sist. Urinário
  .: Sist. Endócrino
  .: Sist. Genital Masc.
  .: Sist. Genital Femin.
  .: Links Sugeridos
Interação
  .: Entre em contato
  .: Projetos
  .: Quem somos

Sistema Digestório

clique aqui para baixar nosso guia prático

Semelhante ao Rapidshare, aguarde a contagem regressiva p/ fazer o download

clique aqui para visualizar as estruturas importantes de nossas lâminas

 

Constituição:

- Tubo digestivo:

    > Cavidade oral;

    > Esôfago;

    > Estômago;

    > Intestino;

    > Reto;

    > Ânus.

- Glândulas anexas:

    > Fígado;

    > Pâncreas;

    > Glândulas salivares.

 

Função: Retirar dos alimentos digeridos os metabólicos necessários para o desenvolvimento e a manutenção do organismo.

 

Cavidade Oral 

  • Lábios:

    • Superfície externa:

      • Pele com folículos pilosos;

      • Glândula sebácea e sudorípara;

      • Parte vermelha: transição entre pele e mucosa;

      • Recoberto por uma camada de células mortas, semelhantes às da pele;

      • As papilas conjuntivas da derme subjacente são numerosas, altas e vasculares, dando coloração avermelhada;

      • Como o epitélio não está intensamente queratinizado, nem com sebo, deve se umedecido pela língua.

    • Superfície interna:

      • Epitélio pavimentoso estratificado, não queratinizado (há alguns grânulos de querato-hialina);

      • Tecido muscular estratificado esquelético (músculo orbicular dos lábios);

      • Tecido conjuntivo fibroelástico (papilas da lâmina própria latas);

      • Pequenos aglomerados de glândulas mucosas.

  • Bochechas:

    • Epitélio pavimentoso estratificado não queratinizado;

    • Lâmina própria de tecido conjuntivo fibroelástico denso que se funde com a submucosa, rica em fibras elásticas achatadas e muitos vasos sangüíneos;

    • Feixes fibroelásticos fixam a membrana mucosa ao músculo adjacente (permite formar inúmeras dobras quando aboca está fechada);

    • Pequenas glândulas mucosas (algumas meia lua).

  • Língua:

    • Face dorsal:

      • Parte oral (corpo):

        • Superfície irregular (papilas linguais) – são elevações do epitélio oral mais lâmina própria);

        • Tipos de papilas:

          • Filiforme;

          • Fungiforme;

          • Valadas.

      • Parte faríngea (raiz):

        • Amígdala lingual;

        • Glândulas mucosas adjacentes.

    • Face ventral:

      • Mucosa lisa.

  • Dente:

    • Porções:

      • Coroa: porção que se projeta além da gengiva;

      • Raiz.

    • Os dentes se articulam nos ossos em cavidades chamadas alvéolos;

    • São derivados da membrana mucosa oral:

    • Dentina:

      • Forma o corpo (tecido conjuntivo calcificado);

      • Semelhante ao osso, porém mais duro;

      • Não possui células, somente prolongamentos dos odontoblastos;

    • Esmalte:

      • Camada epitelial calcificada

      • Estrutura mais rica em cálcio do corpo.

    • Polpa:

      • Tecido conjuntivo frouxo;

      • Predominam odontoblastos de forma estrelada.

    • Perionto:

      • Cemento:

        • Bainha de tecido conjuntivo calcificado;

        • Mantém o tamanho da raiz e garante a fixação do dente;

        • Sua produção na raiz é contínua para compensar o desgaste da coroa.

      • Ligamento periodontal:

        • Tecido conjuntivo

      • Osso alveolar ou lâmina dura.

  • Palato Duro:

    • Lamina própria contínua com o periósteo;

    • Glândula mucosa

    • Mistura e deglutição dos alimentos.

  • Palato Mole:

    • Músculo estriado esquelético e glândulas mucosas na submucosa;

    • Na deglutição oclui a nasofaringe.

  • Gengiva:

    • Não tem submucosa;

    • Gengiva inserida (epitélio queratinizado);

    • Gengiva marginal (vertente livre (queratinizada) e vertente dentária (não queratinizada)).

 

Faringe 

 

     É uma dependência da cavidade bucal comum aos aparelhos digestório e respiratório (orofaringe e nasofaringe). Formada pela lamina própria fibroelástica com grupos de glândulas mucosas.

 

Estrutura geral do tubo digestivo

  •  Túnica Mucosa:

    • Camada epitelial de revestimento;

    • Lamina própria ou córion (tec. conj. Frouxo), vasos sanguíneos e linfáticos, podendo apresentar glândulas e tecido linfóides);

    • Muscular da mucosa (camada delgada de tec. musc. Liso).

  • Túnica Submucosa:

    • Tec. conj. Moderadamente frouxo rico em vasos sanguíneos e linfáticos;

    • Contém plexo nervoso submocosa ou de Meissner;

    • Pode apresentar glândulas e tecido linfóide.

  • Túnica Muscular:

    • Duas subcamadas de fibras musculares lisas, orientadas em hélice (interna (circular) e externa (longitudinal));

    • Plexo mioentérico ou de Amerbach.

  • Túnica Adventícia ou Serosa:

    • Tecido conjuntivo frouxo com grande quantidade de nervos sanguíneos e linfáticos, e células adiposas;

    • Mesotélio (sob a forma de um epitélio simples pavimentoso).

     

  • Principais funções do revestimento epitelial (túnica mucosa):

    • Promover uma barreira semipermeável entre o conteúdo do tubo digestivo e o meio interno;

    • Sintetizar e secretar enzima para a digestão dos alimentos;

    • Promover a absorção dos produtos desta digestão;

    • Secretar hormônios para a coordenação destas atividades;

    • Produzir muco para lubrificação e proteção.

 

Esôfago 

  • Função:

    • Transportar rapidamente o alimento da boca para o estomago.

  • Constituição:

    • Epitélio pavimentoso estratificado não queratinizado;

    • Glândulas cárdicas esofágicas (mucosas) – na mucosa próxima ao esôfago;

    • Glândulas esofágicas (mucosas) – na submucosa;

    • Túnica muscular

      • terço superior – músculo estriado esquelético;

      • terço médio – músculo estriado esquelético e músculo liso;

      • terço inferior – músculo liso.

 

Estômago 

  • Epitélio cilíndrico simples muco secretor;

  • Fossetas ou fovéolas ou criptas gástricas – são invaginações do epitélio de revestimento para dentro da lâmina própria;

  • Junções oclusivas – agem como barreira contra o líquido do ácido do estômago (suco gástrico).

  • Áreas com estruturas histológicas diferentes:

    • Cárdica:

      • Fossetas curtas;

      • Glândulas longas;

      • Glândulas tubulares ramificadas ou não, com porção final frequentemente enovelada – glândula cárdica.

    • Fúndica:

      • Glândulas tubulosas ramificadas – glândula gástrica ou fúndicas.

    • Pilórica:

      • Fossetas longas;

      • Glândulas curtas;

      • Glândulas tubulosas simples ou ramificadas – glândula cárdica.

  • Tipos celulares da glândula fúndica:

    • Célula fonte ou “stem cells” – células em constante divisão, fornecendo as demais;

    • Célula parietais ou oxínticas – HCL; fator antianêmico intrínseco (glicoproteína);

    • Célula mucosa do colo – muco;

    • Célula zimogênicas ou principais – pepsina; lípase;

    • Clula enteroendócrina ou cromafins – hormônios; polipeptícas.

  • Túnica muscular:

    • Interna: oblíqua;

    • Média: circular;

    • Externa: longitudinal.

Intestino delgado 

  • correm os processos finais da digestão dos alimentos e seus produtos são absorvidos;

  • Duodeno:

    • Glândulas de Brünner ou duodenais na submucosa:

      • Secreta glicoproteína neutra com pH entre 8,2 a 9,3 (admite-se que proteja a mucosa intestinal contra a acidez do suco gástrico);

      • Tambem é responsável pelo pH ideal para a ação das enzimas pancreáticas;

      • Placas de Peyer – agregados de nódulos linfáticos na submucosa do íleo.

  • Tipos celulares do epitélio da mucosa intestinal:

    • Células primáticas absorvativas;

    • Células caliciformes – muco;

    • Células de Paneth – grânulos com lizoenzima (atividade antibacteriana e colabora na regulação da flora intestinal);

    • Células enteroendócrinas;

    • Células M (íleo) – importante sistema imunitário.

 

Intestino Grosso 

  • Mucosa lisa, sem pregas (exceto na porção retal;

  • Não há vilosidades;

  • Glândulas de Lieberlsiihn não longas;

  • Grande quantidade de células caliciformes;

  • Pequena quantidade de células enteroendócrinas;

  • Não há células de Paneth;

  • Camada muscular longitudinal externa é bem mais desenvolvida que no intestino delgado devido as fibras se congregarem em três faixas espessas chamadas tênias do colo;

  • A serosa é caracterizada por pequenos apêndices pedunculados formados por tecido adiposo – apêndices epiplóicos.

Apêndice 

  • É uma evaginação do ceco, em fundo de saco;

  • Características:

    • Lúmen estreito e irregular devido à presenção de grande quantidade de nódulos linfáticos na sua parede;

    • A sua estrutura geral é semelhante á do intestino grosso, apenas existindo:

    • o  menor número de glândulas intestinais e as existentes são mais curtas;

    • o  fibras da camada muscular não formam tênias.

 

As glândulas salivares

  • A presença de alimento na boca, assim como sua visão e cheiro, estimulam as glândulas salivares a secretar saliva, que contém a enzima amilase salivar ou ptialina, além de sais e outras substâncias. A amilase salivar digere o amido e outros polissacarídeos (como o glicogênio), reduzindo-os em moléculas de maltose (dissacarídeo). A saliva, além de dar início à digestão do amido, amolece o alimento, facilita a deglutição e a fala, forma uma barreira imunológica e lubrifica a cavidade oral.

  • As glândulas salivares são exócrinas, com porção secretora acinosa e tubulosa e ducto ramificado (composta). Existem as glândulas salivares pequenas na língua e na mucosa da cavidade oral e três tipos de glândulas salivares grandes, estruturas separadas e encapsuladas por tec. conjuntivo que lançam sua secreção na cavidade bucal:

  • Glândula parótida - Com massa variando entre 14 e 28 g, é a maior das três; situa-se na parte lateral da face, abaixo e adiante do pavilhão da orelha. Glândula composta acinosa, exclusivamente serosa.

  • Glândula submandibular - É arredondada, mais ou menos do tamanho de uma noz. Glândula composta túbulo-acinosa com predominâncias de ácinos serosos.

  • Glândula sublingual - É a menor das três; fica abaixo da mucosa do soalho da boca. Glândula composta túbulo-acinosa, predominantemente mucosa, com meia lua serosa.

  • Existem 3 tipos de ductos:

  • Ducto intercalar - Um epitélio simples cúbico.

  • Ducto estriado - Espitélio simples cilíndrico com estriações na base das células (dobras da membrana).

  • Ducto interlobular ou excretor - Luz maior, epitélio estratificado cúbico, cilíndrico e, mais perto da cavidade oral, pavimentoso.

Fígado 

  • É o maior órgão interno (a pele é o maior geral). É a mais volumosa de todas as vísceras. Tem cor arroxeada, superfície lisa e recoberta por uma cápsula própria de tec. conjuntivo.

  • As células hepáticas (hepatócitos) ajudam o sangue a assimilar as substâncias nutritivas e a excretar os materiais residuais e as toxinas, bem como esteróides, estrógenos e outros hormônios. O fígado é um órgão muito versátil. Armazena glicogênio, ferro, cobre e vitaminas. Produz carboidratos a partir de lipídios ou de proteínas, e lipídios a partir de carboidratos ou de proteínas. Sintetiza também o colesterol, a bile, e purifica muitos fármacos e muitas outras substâncias.

  • Lóbulo Hepático:

    • No centro, encontra-se a veia centro-lobular;

    • Radialmente, os cordões de hepatócitos (dobras na membrana, maior área de contato);

    • Entre os cordões, capilares sinusóides (células endoteliais).

  • Espaço Porta:

    • Tecido conjuntivo frouxo;

    • Ramo da veia porta;

    • Ramo da artéria hepática;

    • Ducto biliar.

Pâncreas 

  • O pâncreas é uma glândula mista, de mais ou menos 15 cm de comprimento e de formato triangular, localizada transversalmente sobre a parede posterior do abdome, na alça formada pelo duodeno, sob o estômago.

  • O Pâncreas é uma glândula composta acinosa, exclusivamente serosa. Nota-se também a ausência de ducto estriado, contando com a presença apenas dos ductos intercalar e excretor. O Ducto intercalar adentra os ácinos, podendo ser notada células mais claras dentro destes.

  • O pâncreas exócrino produz enzimas digestivas, em estruturas reunidas denominadas ácinos. Os ácinos pancreáticos estão ligados através de finos condutos, por onde sua secreção é levada até um condutor maior, que desemboca no duodeno, durante a digestão.

  • O pâncreas endócrino secreta os hormônios insulina e glucagon. Ele se encontra dentro da parte exócrina, formando ilhotas.           

 

     Referência Bibliográfica:

JUNQUEIRA L. C.; CARNEIRO, J. Histologia Básica. 10ª ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2004.

Ivana Nascimento Garcia de Santana

Buscar na Web por:
Powered by Google
Publicidade:
 
 
 
Layout por:
Histologia FCM - Desenvolvido e mantido por Jonathan Feroldi